domingo, julho 23, 2006

Talvin Singh por terras lusas

Olá a todos. Este fim-de-semana, por vários motivos, tive mesmo que vir a Almada. Como tal, não estive presente na primeira festa com o selo "Ao Nascer da Lua". Foi uma pena, até porque já sei que correu muito bem, mesmo com a concentração de motas a decorrer. Mas garanto-vos que muitas outras se seguirão, e conto estar em todas!!!

Mas a vida tem destas coisas: perde-se algo, ganha-se algo. Fiquei eufórico quando soube que, sem grandes propagandas, o Club Play (http://www.playclub.tv/), na Praia da Bafureira, ia acolher um dos músicos que eu e o DJ Sir_Aiva mais idolatramos, um "habitué" do nosso programa. Nada mais, nada menos do que Talvin Singh, um dos mentores do movimento "Asian Underground". Ainda um pouco incrédulo, lá fui eu marginal fora até à dita praia. Desde logo fiquei agradavelmente surpreendido com o espaço: Dois pisos bem amplos, decorados de forma minimalista, com enormes janelas para a praia e o Oceano Atlântico. Só tive pena da fraca afluência do público. No futuro, quando souberem de alguma festa lá, não hesitem em ir. Eu vou fazer o mesmo certamente.
Mas vamos ao que realmente interessa. O grande mestre Singh iniciou o set com um longo e relaxante intro com sonoridades asiáticas, e em seguida partiu para terrenos nos quais não estamos acustumados a encontrá-lo: "breakbeat" e "dub-step", com ritmos muito fortes e até agressivos por vezes. Depois de uns 30-45 minutos nestas tendências bem inovadores, surgiram as sonoridades que lhe reconhecemos como "suas": "Drum & Bass" sempre a abrir, replectas de melodias indianas, onde a tabla é rainha absoluta. Um grande set, sem dúvida. Mesmo durante os efeitos mais exigentes, ele ia levantando ligeiramente a cabeça, tentando absorver a reacção da plateia.
Mas algo mais que música passou ontem do indo-britânico para o público. Enquanto as colunas debitavam centenas de rotações por minuto, e a audiência se esforçava por mover o seu corpo a um ritmo minimamente idêntico, Talvin mantinha sempre uma calma e serenidade quase palpáveis, mesmo quando os seus dedos se mexiam com uma velocidade e precisão incríveis. De forma inconsciente, esta sensação relaxante foi também alastrando pela audiência. E já no regresso a casa, uma sensação de "zen" absoluto apoderou-se de nós...

Thanks Talvin!!!

1 Comments:

Anonymous Joana said...

Concordo plenamente!
Simplesmente fabuloso aquele senhor...Bravo, Talvin Singh e Obrigada também!

19:05  

Enviar um comentário

<< Home